Manu Gavassi: “Às vezes está tudo bem não ser criativo”



Dona da agência Cute But Psycho, a cantora e ex-BBB avalia o poder das narrativas na música e na publicidade, e analisa que é preciso respeitar seu próprio tempo de ser criativo


Cantora, compositora, atriz, influenciadora, ex-BBB, empreendedora, diretora criativa e roteirista. Com atuação em tantas vertentes, Manoela Gavassi – conhecida como Manu Gavassi – também estruturou um trabalho na área de publicidade. No fim de 2019, fundou a agência criativa Cute But Psycho Agency, ao lado de Andressa Marguet, planner e atendimento, e Fernando D’Araújo, diretor de arte.

A agência, que já realizou trabalhos para marcas como Tanqueray, Revolve, Sallve, LIVO e MAC, leva o mesmo nome de seu EP, lançado em 2018, e segue os mesmos princípios criativos que Manu usou para divulgá-lo em suas redes sociais: por meio de narrativas. “A agência nasceu dessa minha vontade de contar histórias, de entender que minha graça está em contar histórias, seja através da moda, da música, das minhas letras, dos meus roteiros e projetos”, explica a artista.


“Não só na agência, mas eu como pessoa, quando me associo com qualquer marca, vejo se ela tem os mesmos princípios que eu”, diz Manu Gavassi


Ainda seguindo essa linha criativa de storytelling, durante sua participação no Big Brother Brasil 20, Manu usou a narrativa transmídia (aquela que se desenrola por meio de múltiplos canais de mídia que se complementam) para divulgar conteúdos em suas redes sociais que fizessem sentido com o que estava acontecendo com ela dentro da casa. “Tinha vídeo, foto, stories, música, tudo funcionou de uma maneira muito 360. E meio que fui aprendendo fazendo, não segui nenhuma fórmula, não me inspirei em nenhum lugar, deixei a minha mente criar”, conta

Fonte: Meio e Mensagem



197 visualizações0 comentário